30 de junho de 2008

Campanha Saco Verde!



A Lourambi lançou no início deste mês a campanha "Saco Verde", que tem como objectivo a diminuição da utilização do tradicional scado de plástico.

O Saco da Lourambi é de pano e permite ser utilizado e lavado diversas vezes, contribuindo assim para uma progresiva substituição do saco de plástico.





COMO ADQUIRIR:





1. Cada saco custa 1,5Lourambi, e encomendar os que necessitar.


2. Pode também fazer-se sócio, e receber em troca um Saco Verde.

Pode-nos contactar através do mail lourambi@gmail.com, através de carta para Ap. 72, 2534-909 Lourinhã, ou pelo telefone 93 9069827.

Aproveite, e comece o Verão a ajudar o Ambiente!

Nas Dunas… alheios a tudo!


Feitas de areia, moldadas e transportadas por mares e ventos, as dunas fazem parte de mais de metade da costa portuguesa. São lugares que nos atraem pela sua beleza e tranquilidade, no entanto, necessitam do nosso cuidado, compreensão e respeito, pois têm vindo a sofrer pressão da presença humana de forma bastante intensa.

Na zona litoral formam-se próximo da linha de água e expandem-se no sentido do vento, formando cordões dunares paralelos à costa.
A composição dos sistemas dunares varia gradualmente, desde a linha de água, com a proximidade do mar, sistema de ventos, geologia, topografia e distribuição da sua típica vegetação (principal agente de estabilizador das dunas), desempenhando um papel fundamental de transição entre ambiente marinho e terrestre. Este sistema é muito sensível a pressões humanas, principalmente porque o ambiente natural em que se encontra é por si só agressivo, (ventos, temperaturas, força das marés e salinidade), e, estando a comunidade vegetal bastante adaptada a estes factores, é pouco tolerante a pressão externa.

As principais pressões que se fazem sentir, são: ocupação turística, urbanística e agrícola mal geridas (pisoteio, interrupção/fragmentação do gradiente dunar); poluição (cursos de água, areia.); obras de engenharia costeira, que interferem com as correntes marinhas e, consequentemente, com os fluxos de areias (ex. pontões); consciencialização insuficiente da população; introdução de espécies exóticas nas dunas (ex. chorão, acácias); remoção de areias e presença de parasitas na vegetação dunar (ex. nemátodes).

Por mínima que seja a pressão, a estrutura da duna, degrada-se e fica mais exposta à erosão natural destes sistemas, sendo a sua recuperação morosa. É, assim, necessária uma gestão cuidada destes sistemas para os recuperar e estabilizar de modo eficaz, tendo tembém em conta que sendo os cordões dunares barreiras de protecção costeira (oscilação do nível médio do mar, força das ondas), a sua manutenção abarca a defesa de populações costeiras, e respectivos bens.
As principais práticas de recuperação já utilizadas são: construção de paliçadas, passadiços e vedações; revegetação adequada; ordenamento dos acessos às praias; construção de apoios de praia e implementação de sistemas de recolha de lixo e limpeza do areal, organização de acções de educação ambiental e investigação multidisciplinar dos sistemas dunares.

Para além destas medidas, e da legislação aplicável, cabe-nos contribuir com uma conduta adequada, ou seja, utilizar passadeiras ou trilhos já existentes; não andar a pé, com veículos motorizados, apanhar banhos de sol, fazer desportos radicais, passear animais domésticos ou fazer campismo selvagem nas dunas; não colher vegetação dunar; procurar informação sobre a protecção destes sistemas, divulgá-la e denunciar situações de atentado ambiental às autoridades competentes (GNR, PSP, ICN, Capitania da Área).

De notar que a costa do nosso concelho é atravessada pelo cordão dunar que se estende desde Peniche a Santa Cruz, (protegido por Rede Natura 200), no qual o recém fundado Grupo de Flora da Agenda XXI da Lourinhã, tenciona desenvolver acções de recuperação.

Já que gostamos de disfrutar da beleza deste ecossistema, não permaneçamos nas dunas… alheios a tudo, há sempre hipóteses de contribuir para cuidar destes espaços, quer melhorando o nosso comportamento, quer ajudando nas iniciativas de recuperação das nossas dunas!

Filomena Frade
Lourambi

16 de junho de 2008

AMB3E


AMB3E é muito mais de que um portal!

Formalmente é a Associação Portuguesa de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos é uma associação de direito privado sem fins lucrativos.

Na maioria dos casos, as pessoas conhecem-na pelos anuncios televisivos geniais, que mostram aparelhos do tempo "da avozinha", em jeito de leilão, ou mais recentemente através da campanha de entrega de lâmpadas antigas aquando da compra de novas.

Ao consultarmos este sítio (http://www.amb3e.pt/) estamos não só receber informação útil para o nosso dia a dia, como também a aprender como reaproveitar, reutilizar e mesmo reciclar alguns dos equipamentos que temos em nossas casas.

Este é sem dúvida um bom site para perder 10 minutos do seu dia.

Ciclo de Conferências da ADL

A Associação de Desenvolvimento Local da Lourinhã (ADL), vai realizar a segunda conferência intitulada "Turismo: um investimento de Futuro".


O debate será pelas 15h no auditório da AMAL na Lourinhã.



Podem consultar o programa em http://adlourinha.googlepages.com/.





page counter
Website Hit Counter