18 de outubro de 2007

I Congresso Internacional de Educação Ambiental dos Países Lusofonos e Galiza, Santiago de Compostela, 2007

No passado mês de Setembro, entre os dias 24 e 27, teve lugar em Santiago de Compostela o I Congresso Internacional de Educação Ambiental dos Países Lusófonos (Brasil, Cabo-Verde, Angola, Moçambique, Portugal, Timos Leste, S. Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau) e da Galiza.

Este congresso nasceu no seio de uma rede de educação ambiental formada por países de expressão lusófona, que até então constituia apenas uma rede de comunicação temática, mas que, com este evento pretendia tomar uma forma/organização mais sólida, a Rede Lusofona de Educação Ambiental (http://www.aspea.org/Rede%20Lus%F3fona_lusofonia.htm) . Este congresso foi organizado pelo CEIDA (Centro de Extensión Universitária e Divulgación Ambiental de Galicia), pela Universidade da Coruña e de Santiago de Compostela, e teve como espaço principal a Faculdade de Filologia (http://www.usc.es/fac_filoloxia/).
Longe de ser apenas um evento para exposição de projectos ou trabalhos desenvolvidos na área, este congresso tornou-se um espaço de crescimento conjunto dos países participantes no conceito de educação ambiental. A partilha deu-se no sentido de
- mostrar o situação actual de cada país nesta área, (juntaram-se países de contextos sócio-culturais e políticos muito diversos), salientando pontos fortes e fracos em cada país, para que pudessem surgir propostas de solução por "troca de mais-valias";
- discutir o papel da educação ambiental ligada a diversas problemáticas ambientais, tais como ameaça de biodiversidade, alterações climáticas, etc., a contextos sociais (educação superior, etc.) ou projectos mais abrangentes (agenda xxi?)
- procurar estratégias de implementar e/ou melhorar a Educação Ambiental em todos os países presentes, para que seja uma arma funcional de formação de cidadãos conscientes e activos e de construção de sociedades sustentáveis.

O congresso foi desenvolvido em diversos modos de acção:

Áreas de Trabalho, pequenos grupos temáticos, dinamizados por palestrantes ou participantes com experiência em cada tema:

> Educação Ambiental e Biodiversidade
Palestrante:Helena Freitas - Univ. de Coimbra (Portugal)Dinamizam:Alfredo Simão da Silva - Instituto da Biodiversidade e das Áreas Protegidas (Guiné-Bissau)Amílcar Marcel de Sousa - Instituto Pró Terra (Brasil)
> Educação Ambiental e Alterações Climáticas
Palestrante:Pablo Meira - Univ. de Santiago de Compostela (Galiza)Dinamizam:Lourenço Monteiro de Jesus - Gabinete do Ambiente (São Tomé e Príncipe)Verónica Campos - Centro de Extensión Universitaria e Divulgación Ambiental de Galicia
> Educação Ambiental e Cooperação
Palestrante:Fabiola Sotelo - Dirección Xeral de Cooperación Exterior. Xunta de GaliciaDinamizam:Jacqueline Andrade - Secretariado Executivo Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. CPLPMaura Machado - Ministério do Meio Ambiente (Brasil)
>Educação Ambiental e Ecofeminismo
Palestrante:Carme Adan - Secretaría Xeral de Igualdade. Xunta de GaliciaDinamiza:Saquina Mucavele - Mulher Género e Desenvolvimento MUGEDE (Mozambique)Natalia Domínguez - Axente de igualdade de oportunidades (Galiza)
> Educação Ambiental e Turismo
Palestrante:Rubén Camilo Lois González Dirección Xeral de Turismo. Xunta de GaliciaDinamizam:José Alho - Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (Portugal)Brigida Rocha Brito - Centro de Estudos Africanos (Portugal)
> Educação Ambiental e Universidade
Palestrantes:Dora Blanco Heras - Univ. de SantiagoPedro Membiela - Univ. de Vigo José Luis Martínez - Univ. da Coruña Dinamizam:Lucía Iglesias da Cunha - Univ. de Santiago de Compostela Michèle Sato - Univ. Federal do Mato Grosso (Brasil)
> Educação Ambiental nas Agendas 21
Palestrante:Teresa Franquesa - Direcció d'Educació Ambiental i Participació. Ajuntament de Barcelona (Espanha)Dinamizam:Joaquim Ramos Pinto - NEREA Investiga (Portugal)Maria do Carmo Muíños Pardavila Cidadanía
> Educação Ambiental no Sistema Educativo
Palestrante:Ana Benavente - Univ. de Lisboa (Portugal)Dinamizam:Francisco Candia - Univ. de Santiago de Compostela Marilia Andrade Torales - Centro Universitário FEEVALE (Brasil)
> Educação Ambiental Não Formal
Palestrante:Helena Barracosa - Centro de Ciências do Mar (Portugal)Dinamizam:Luísa Borges - Ministério do Ambiente e Agricultura (Cabo Verde)Araceli Serantes - Univ. da Coruña
> Redes e associacões de Educação Ambiental
Palestrante:Patrícia Mousinho - Rede Brasileira de Educação Ambiental (Brasil)Dinamizam:Miguel Pardellas - Soc. Galega de Educación AmbientalFabio Deboni - Ministério da Educação (Brasil)

O grupo de trabalho com a participação da Lourambi (representada pelo rebento Nidia Fernandes), foi Agenda XXI e Educação Ambiental,devido à proximidade com a empresa CEIFA, que está a dinamizar a agenda XXI Local da Lourinhã, mediada por um membro comum às duas organizações, Suhita Osório Peters. Particularmente neste grupo de trabalho os objectivos delineados a priori, em torno dos quais o debate girou foram:
- definição do conceito Educação Ambiental dentro da Agenda XXI (globalmente foi visto como um conceito inerente à mesma, face à forte componente participativa e educativa que os seus projectos devem ter, no seio das comunidades onde estão implementados)
- diagnóstico de pontos positivos e negativos do funcionamento da Agenda XXI em cada país (implementação e gestão/continuidade, órgão responsáveis, etc.)
- encaminhamentos gerais e políticos, elaborados a partir das conclusões da discussão dos pontos acima referidos.

Conferências e Debates, de temáticas ligadas às abordadas nos grupos de trabalho, mas numa perspectiva de apresentação de projectos/experiências, aberto a participação da audiência no final (programa: http://www.ceida.org/congreso_ea/documentacion/programa.pdf) ;

Grupo Pontos Focais, grupo da rede lusófona, responsável pelo direccionamento do congresso, orgânica da rede lusófona de educação ambiental;

Grupo Juventude pelo Meio Ambiente, no qual foi debatido o papel real e ideal da juventude em matérias de educação ambiental, e se partiu para a constituição de uma rede de juventude, ligada à rede lusófona EA. Nos encontros foram debatidos conceitos sobre os quais acentaria essa rede, que tipo de actuação/âmbito/objectivos teria, qual a sua organização interna, espaço e modo de comunicação e sob que forma continuaria representada no próximo Congresso de Educação Ambiental, a realizar em 2009, em Cabo Verde.

Em plenária final, o produto destes espaços de informação, discussão e cooperação foram apresentados sinteticamente por representantes dos respectivos grupos, fazendo-se por fim uma apreciação global da produtividade do congresso, com os olhos postos no próximo e nos objectivos neste encontro delineados.

Todo este clima de trabalho intenso foi acompanhado por um forte espírito de acolhimento e troca cultural, presente na programação do congresso (programação cultural: http://www.ceida.org/congreso_ea/documentacion/Lona%2001c_b.jpg), onde houve tempo para concertos, visitas guiadas, exposições e uma "Feira de Troco", na qual as moedas ficaram no bolso, e a troca directa dos mais diversos e criativos bens reinou de forma viva e descontraída!

Palavras como Intercâmbio, Partilha, Cooperação tiveram lugar de destaque neste evento que juntou gentes de realidades bem diferentes. Países com menos experiência e material disponível, devido a situação ou historial politico-social e económico, contrastando com países com maior experiência, mas por vezes menor participação social, ou dificuldade de reconhecimento de projectos de educação ambiental a nível governamental ou coordenação, divulgação de iniciativas existentes e ajustamento das mesmas à realidade na qual se inserem. Variados problemas, cujas soluções se poderão e deverão trabalhar em conjunto, uma vez que na língua e na vontade de praticar educação ambiental, todos os presentes estiveram e estão unidos!




Se alguém tiver interesse em mais material e informação sobre o congresso, a rede lusófona de educação ambiental ou a rede de juventude pelo meio ambiente, pode sempre contactar a Lourambi lourambi@gmail.com, ou então a participante do congresso nnidia.f@gmail.com.



links a espreitar!
site do congresso: http://www.ealusofono.org/
blog do congresso: http://ealusofono.blogspot.com/


E como nota final fica a possibilidade de qualquer um com interesse na área de educação ambiental se poder juntar à lista de e-mails da Rede Lusófona, para ficar a par da comunicação interna desta grande família, enviando um mail para redelusofona-owner@yahoogrupos.com.br (moderadora: Michele Sato).

12 de outubro de 2007

6ª Jornadas Técnicas Internacionais de Resíduos

Entre os dias 23 e 26 de Outubro terão lugar em Viseu as 6ªs Jornadas Técnicas de Resíduos, como o tema central «Valorização orgânica de resíduos».

Passo a citar o texto de apresentação do evento:

"As Jornadas Internacionais de Resíduos são uma realização bienal da APESB e foram organizadas pela primeira vez, em 1997, em Lisboa. Seguiram-se novas realizações em Lisboa (1999), Viana do Castelo (2001), Leiria (2003) e Funchal (2005).
A política de resíduos da UE dá ênfase à restrição da deposição de resíduos urbanos biodegradáveis (RUB) em aterros e a obrigatoriedade de reciclar cada vez mais resíduos de embalagens. Portugal enfrenta, pois, um desafio no que tange à valorização de crescentes quantidades de RUB não admitidos em aterro, cujo destino só poderá ser a valorização biológica ou a energética. No seio da UE continua a discutir-se um documento final sobre os tratamentos biológicos (2nd draft on biological treatment) que poderá constituir um custo acrescido para os sistemas de gestão de resíduos, ao transformar um produto (o composto orgânico) num resíduo.
Tendo em consideração o êxito obtido na edição anterior, está programada uma workshop sobre tratamentos biológicos de resíduos que será orientada por especialista da ISWA.
Estas 6as Jornadas Técnicas Internacionais pretendem constituir o fórum privilegiado para apresentar e discutir, com especialistas internacionais, as principais questões que se colocam actualmente ao sector dos Resíduos Sólidos em Portugal, como é o caso da aplicabilidade do composto, contemplando as especificidades do produto, dos solos e do seu uso (hortícola, agrícola, frutícola, florícola, florestal, etc.). Será também abordada a sustentabilidade económica dos sistemas de gestão de resíduos, tanto na óptica do regulador como na dos agentes directos."

Mais informações no site oficial: http://www.apesb.org/jornadas/

page counter
Website Hit Counter